“Se existe alguma coisa a respeito da qual se deva fazer exatamente o oposto do que o governo e a mídia lhe dizem para fazer, essa coisa é investir em ouro”. Robert Ringer
 

 

- A Prata e o Ouro sempre estiveram completamente imunes às inflações do papel-moeda. Estiveram, estão e estarão.
Embora o valor da prata possa estar sujeito à variações, ela possui um valor intrínseco imutável e permanente. Por estas razões a prata tem sido incluída no portfólio de muitos investidores, tanto de grandes como de pequenos. É uma reserva de valor perpétuo, facilmente negociável, impossível de ser falsificada (para alguém com um mínimo de experiência, uma peça de imitação de prata é tão semelhante a uma peça de prata verdadeira assim como um copo de requeijão é semelhante a uma taça de cristal). E os requisitos para se poder identificar uma peça de prata autêntica de uma imitação são, literalmente, mínimos. A prata pode ser imitada, não falsificada, pois suas propriedades elementares são sempre permanentes.

De 1971 a 1981, o dólar americano perdeu mais da metade de seu valor, enquanto o preço da prata subiu aproximadamente cinco vezes. Só em 2010 a prata valorizou em cerca de 100%, e em um ano, mais de 105%.

Hoje a situação da prata como opção de investimento já se modificou de modo dramático (e não são poucos os que estão desatentos a este fato.
A prata sustentou, por vários anos, economias em grande colapso, como a economia do pós-guerra (a Segunda Grande Guerra), e muitos só puderam se reerguer em razão de terem tido a inteligência de considerar o que a prata sempre foi: Dinheiro de verdade!

 

 

Progressivamente, a Prata vem reassumindo seu papel histórico como a melhor forma de dinheiro após o Ouro. Investidores experientes (não os administradores de carteiras, mas seus verdadeiros donos) tem indicado que a Prata terá um lugar de destaque surpreendente na economia mundial nos próximos anos. E, interessantemente, há menos prata disponível para investimento e acumulação (enriquecimento) no mercado internacional do que ouro.

 

Como já dito, a demanda para o uso industrial da prata cresceu, enormemente, nos últimos anos, além do que ela se perde definitivamente com o uso industrial, por isso sua disponibilidade vem diminuindo com o tempo, o que faz com que se torne cada vez mais rara e, portanto, mais valiosa e buscada.

 

Todas estas coisas apontam para um fenômeno já em pleno curso, a plena valorização da prata. A demanda de prata atual no mundo gira em torno de 900 milhões de onças troy por ano, porém a média de produção mundial de prata é de apenas 480 milhões de onças. É um nível perigoso, visto que sua produção e disponibilidade vêm declinando, ao passo que a demanda da prata vem aumentando sistemática e progressivamente.

 

Por isso a prata promete muito como investimento e reserva de valor. Para os investidores de todos os portes, a prata é um meio efetivo de diversificação de investimentos e de reserva de valor. Contudo, a realidade dos investimentos em prata no Brasil difere substancialmente do de outros países, como os EUA e alguns países europeus.

 

O mercado brasileiro de prata é sobretudo voltado para o setor de joalheria, sendo que a prata como reserva de valor no Brasil não possui liquidez em nosso mercado interno.

 

Salvo para colecionadores, investir em moedas de prata, sejam as produzidas pela Casa da Moeda do Brasil, ou sejam as famosas Silver American Eagles e Austrian Silver Philharmonics, por exemplo, ao longo destes últimos anos, mais precisamente desde 2008, quando publicamos este site, temos visto diversas boas lojas de Numismática brasileira, físicas e virtuais, irem à falência.

 

Realmente acreditávamos que a prata fosse vingar no Brasil como meio de proteção contra a inflação, mas, lamentavelmente, o que esperávamos não ocorreu! As moedas de prata estrangeiras não possuem liquidez no mercado brasileiro!